31 Oct
Sights / Paisagens



31 Oct
Mores / Costumes



31 Oct
Beliefs / Crenças



31 Oct
Religiousness / Religiosidade

It is the country’s most mystical world [citation needed], with the smell of incense, garlands and full of saints wandering the streets, living side by side with a population progressive, modern. Nowadays, much of Western cultural influence has permeated this culture.

The Indian religious philosophies - because its people have developed various philosophical systems that are always associated with religion - are encompassed into five main groups: Jainism, Sankhya and Yoga, Brahmanism, Buddhism, Tantra. Almost everything in India is spirituality, the great purpose of Indian culture is to know God, whether in their personal or impersonal aspect.




É o país mais místico do mundo[carece de fontes], com cheiro de incenso, cheio de guirlandas e santos vagando pelas ruas, convivendo lado a lado com uma população progressista, moderna. Nos dias atuais, muito da influência cultural ocidental tem permeado esta cultura.

As filosofias religiosas indianas - porque seus povos desenvolveram vários sistemas filosóficos que sempre estão associados à religião - são englobadas em cinco grupos principais: jainismo, sankhya e ioga,bramanismo, budismo, tantra. Quase tudo na Índia é espiritualidade; o grande propósito da cultura indiana é conhecer Deus, seja em seus aspecto pessoal ou impessoal.



31 Oct
Cine / Cinema

India has a large film industry. It is, in numerical terms, the largest producer in the world. The number of films made in India is higher than in any other country. This is a passion of Indians. The cinemas crowded living and they love their stars and, unlike other places, everything has to face India, without cultural invasions, preserving the identity of this country. This diversity, and different architectures, is what makes India such “Cultural Cauldron”.

Currently Indian cinema, known as Bollywood, is one of the largest industries in the world of cinema.

The film Who wants to be a millionaire?, Winner of eight Oscars, is a British film, but filmed in India and Indian cast.




A Índia tem uma grande indústria cinematográfica. É, em termos numéricos, a maior produtora do mundo. O número de filmes feitos na Índia é superior ao de qualquer outro país. Essa é uma paixão dos indianos. Os cinemas vivem lotados e eles amam seus astros e, diferentemente de outros lugares, tudo tem a cara da Índia, sem invasões culturais, preservando a identidade deste país. Esta diversidade, além de arquiteturas diferentes, é o que faz da Índia esse “Caldeirão Cultural”.

Atualmente o cinema indiano, conhecido por Bollywood, é uma das maiores indústrias do mundo da sétima arte.

O filme Quem quer ser um milionário?, vencedor de oito oscars, é um filme britânico, mas filmado na Índia e elenco indiano.



31 Oct
Literature / Literatura

The Indian literary tradition is primarily and essentially oral poetic. Their authors are often unknown. For this reason, it becomes difficult to establish the history of Indian literature.

Much of the traditional literature is inspired by the Sanskrit tradition, but also Buddhists and Jains in texts written in Pali and other languages prácritas (medieval dialects of Sanskrit). This applies to both the Dravidian literature as to literature written in Indo-European languages from the north. The influence of Islamic and Persian cultures is greater in literature written in Urdu, although in other literatures also can observe Islamic trends.

Between the ages II and V were great novels written in verse, also called epics: Cilappatikaram (The gold bracelet) of Ilanko Atikal and then Manimekalai (The belt of precious stones), a work written by Buddhist Cattanar.

Up to 1500 the bulk of the Indian literary output consisted of translations of stories taken from the Sanskrit epics, the Puranas. Many versions of the Ramayana - The Mahabharata and Bhagavata Purana - date from this period.

The medieval literature also addresses other issues such as Caryapadas, tantric verses of the twelfth century (see Tantra) reported that education and achievement of the founder of the sect mahanubhava. The first works in Kannada language (from the tenth century) and in gujarati language (from the thirteenth century) are novels Jains.

Other examples of these literary distanced sectarian tendencies are reports of heroic chivalry and rajasthani language, as the twelfth-century epic poem Prithviraja-râsau, Chand Bardaï Lahore.

Subsequently developed other religious literature associated with regional philosophies and sects: the tantric texts which later gave birth to genres like mangala-kavya (poetry an event ressagiado) of Bengal. This poetry was addressed to divinities as Manasa (snake goddess), locally called the main female deity Devi.

The main influence for later Indian literature was the worship of Krishna and Rama written in the national languages. The story of Krishna developed into Sanskrit from the Mahabharata and the Bhagavata Purana through to the poem composed in the twelfth century by jaydev, Gitagovinda (Singing Cowboy). Around 1400, a series of love poems written by poet Viyapati that decisively influenced the worship of Radha-Krishna practiced in Bengal, beyond all religious-erotic literature associated with it.

The tradition of bhakti is the work of alvars Tamil mystics who, between centuries VII and X, wrote hymns in praise of Vishnu. These hymns are manifested especially in works written in avadhi (Eastern Hindi) of Tulsi Das, whose Ramcaritmanas (Lake of the acts of Rama 1574-1577) transformed the canonical version of the Ramayana. The primerios gurus or founders of religion sij, particularly Nanak and Arjuna, bhakti wrote hymns that form part of the Adi Granth (Book Book first or original), the holy book of the Sikhs, compiled in 1604 by Arjuna.

During the sixteenth century bhakti tradition turned to other forms of divinity. Thus, for example, the Rajasthani princess and poet Mira Bai wrote his verses to praise Krishna, equal to gujarati poet Narsimh Mehta.

In Urdu, a new language was written lyric poetry of Wali. The ghazals of Mir Ghalib y can be considered the pinnacle of poetry in Urdu.

Featured poets like Ghalib lived and worked during the period of British rule, leading to a genuine literary revolution as a result of contact with Western thought. In the mid nineteenth century, there arose a literary tradition in prose which absorbed all the traditional poetic genres, except poets urdus.

Over the past 150 years, Indian literature was recorded in the country’s top fifteen languages, including English and Bengali, the latter offering one of the richest literatures of India. One of its main representatives are Rabindranath Tagore, the first Indian writer to receive the Nobel Prize for Literature (1913).

In poetry, the highlight was the leader and Islamic philosopher Sir Muhammad Iqbal, originally written in Urdu and Persian. The autobiography of Mohandas K. Gandhi, My experiments with truth, originally written in gujarati between 1927 and 1929 is now considered a classic.

Among the writers of the English language should refer Mulk Raj Anand, author of novels of social protest and RK Narayan, who wrote novels and stories about rural life. Among the younger writers of modern India stand out Anita Desai and Ved Mehta.



A tradição literária indiana é principalmente poética e essencialmente oral. Seus autores são, freqüentemente, desconhecidos. Por esta razão, torna-se difícil estabelecer a história da literatura indiana. 

Grande parte da literatura tradicional inspira-se na tradição sânscrita, como também nos textos budistas e jainistas escritos em pali e outras línguas prácritas (dialetos medievais do sânscrito). Isto é válido tanto para a literatura dravídica, como para a literatura escrita nas línguas indo-européias do norte. A influência das culturas islâmica e persa é maior na literatura escrita em urdu, embora em outras literaturas também se possa observar tendências islâmicas. 

Entre os séculos II e V foram escritos grandes romances em verso, também chamados epopéias: Cilappatikaram (O bracelete de ouro) de Ilanko Atikal e em seguida Manimekalai (O cinturão de pedras preciosas), uma obra budista escrita por Cattanar. 

Até 1500 a maior parte da produção literária indiana era formada por traduções de histórias extraídas das epopéias em sânscrito, os puranas. Muitas das versões do Ramayana - O Mahabharata e Bhagavata-Purana - datam deste período. 

A literatura medieval aborda também outros temas, como os Caryapadas, versos tântricos do século XII (ver Tantra) que relatam o ensino e a proeza do fundador da seita mahanubhava. As primeiras obras em língua kannada (a partir do século X) e em língua gujarati (a partir do século XIII) são romances jainistas. 

Outros exemplos literários distanciados destas tendências sectárias são os relatos heróicos e de cavalaria em língua rajasthani, como o poema épico do século XII Prithviraja-râsau, de Chand Bardâi de Lahore. 

Posteriormente, desenvolveram-se outras literaturas religiosas associadas a filosofias e seitas regionais: os textos tântricos que mais tarde deram origem a gêneros como o mangala-kavya (poesia de um acontecimento ressagiado) de Bengala. Esta poesia era dirigida a divinidades como Manasa (a deusa serpente), forma local da principal divindade feminina chamada Devi. 

A principal influência para a literatura indiana posterior foi o culto a Krishna e Rama escritos nas línguas nacionais. A história de Krishna desenvolveu-se em sânscrito a partir do Mahabharata e através do Bhagavata-Purana até o poema composto no século XII por Jaydev, Gitagovinda (O canto do vaqueiro). Em torno de 1400, surge uma série de poemas de amor, escritos pelo poeta Viyapati, que influenciou de maneira decisiva o culto a Radha-Krishna praticado em Bengala, além de toda a literatura erótico-religiosa associada a ela. 

A tradição do bhakti encontra-se na obra dos alvars tamiles místicos que, entre os séculos VII e X, escreveram hinos em louvor a Visnú. Estes hinos manifestam-se, especialmente, nas obras escritas em avadhi (hindi oriental) de Tulsi Das, cujo Ramcaritmanas (Lago dos atos de Rama 1574-1577) transformaram na versão canónica do Ramayana. Os primerios gurús, ou fundadores da religião sij, particularmente Nanak e Arjuna, escreveram hinos bhakti que formam parte do Adi Granth (Livro primeiro ou Livro original), livro sagrado dos sijs, compilado em 1604 por Arjuna. 

Durante o século XVI a tradição bhakti dirigiu-se a outras formas de divinidade. Assim, por exemplo, a princesa Rajasthani e o poeta Mira Bai escreveram seus versos para louvar a Krishna, igual ao poeta gujarati Narsimh Mehta. 

Em urdu, uma língua nova, foi escrita a poesia lírica de Wali. Os ghazals de Mir y Ghalib pode ser considerado o auge da poesia lírica em urdu. 

Destacados poetas como Ghalib viveram e trabalharam durante o período de dominação britânica, tendo provocado uma autêntica revolução literária como resultado do contato com o pensamento ocidental. Em meados do século XIX, surgiu uma tradição literária em prosa que absorveu todos os gêneros poéticos tradicionais, exceto o dos poetas urdus. 

Nos últimos 150 anos, a literatura indiana foi registrada nas principais quinze línguas do país, incluindo o inglês e o bengalí, esta última oferecendo uma das literaturas mais ricas da India. Um de seus principais representantes é Rabindranath Tagore, o primeiro escritor indiano a receber o prêmio Nobel de Literatura (1913). 

Na poesia, destaca-se o líder e filósofo islâmico sir Muhammad Iqbal, escrita originalmente em urdu e persa. A autobiografia de Mohandas K. Gandhi, Minhas experiências com a verdade, escrita originalmente em gujarati entre 1927 e 1929 é, hoje, considerada um clássico. 

Entre os escritores de língua inglesa cabe citar Mulk Raj Anand, autor de romances de protesto social e R.K. Narayan, que escreveu romances e relatos sobre a vida rural. Entre os escritores mais jovens da Índia moderna destacam-se Anita Desai e Ved Mehta.



31 Oct
Social Class / Classes socias

Indian culture is marked by a high degree of syncretism and pluralismo.Os Indians have managed to retain their previously established traditions while absorbing new customs, traditions and ideas from invaders and immigrants, while extending its cultural influence to other parts of Asia, Far East and Indochina page.

The traditional Indian society is defined as a relatively restricted social hierarchy. The caste system describes the social stratification and restrictions of the Indian subcontinent, also define social class groups endogâmicoshereditários, which at first are called jatis or castes. The traditional values of Indian families are very respected and patriarchal model has been the most common for centuries, although recently the nuclear family is becoming the model followed by the population living in urban areas.

A cultura indiana está marcada por um alto grau de sincretismo e pluralismo.Os indianos têm conseguido conservar suas tradições previamente estabelecidas, enquanto absorvem novos costumes, tradições e ideias de invasores e imigrantes, ao mesmo tempo que estendem a sua influência cultural a outras partes da Ásia, principal Indochina e Extremo Oriente.

A sociedade tradicional da Índia está definida como uma hierarquia social relativamente restrita. O sistema de castas descreve a estratificação e as restrições sociais do subcontinente indiano; também definem as classes sociais por grupos endogâmicoshereditários, que a princípio se denominam jatis ou castas. Os valores tradicionais das famílias indianas são muito respeitados e o modelo patriarcal tem sido o mais comum durante séculos, ainda que recentemente a família nuclear esteja se convertendo no modelo seguido pela população que vive na zona urbana.



31 Oct
31 Oct
Taj Mahal Wonder of Humanity! / Taj Mahal, Maravilha da Humanidade!

The Taj Mahal is a mausoleum located in Agra, a city in India and the best known monuments of the country. It is a UNESCO World Heritage Site. It was recently announced as one of the New Seven Wonders of the World in a celebration in Lisbon on July 7, 2007.

The work was done between 1630 and 1652 with a force of about 20,000 men, brought several Eastern cities to work in sumptuous white marble monument that had built emperor Shah Jahan in memory of his favorite wife, Banu Begam Aryumand , whom he called Mumtaz Mahal (“the jewel of the Palace”). She died after giving birth to their 14th child, and the Taj Mahal was built over his grave by the river Yamuna.

Thus, the Taj Mahal is also known as the greatest proof of love in the world, containing inscriptions taken from the Koran. It is encrusted with semiprecious stones such as lapis lazuli and others. Its dome is sewn with gold thread. The building is flanked by two mosques and surrounded by four minarets.



Taj Mahal é um mausoléu situado em Agra, uma cidade da Índia e o mais conhecido dos monumentos do país. Encontra-se classificado pela UNESCO como Património da Humanidade. Foi recentemente anunciado como uma das Novas Sete Maravilhas do Mundo Moderno em uma celebração em Lisboa no dia 7 de Julho de 2007.

A obra foi feita entre 1630 e 1652 com a força de cerca de 20 mil homens, trazidos de várias cidades do Oriente, para trabalhar no sumptuoso monumento de mármore branco que o imperador Shah Jahan mandou construir em memória de sua esposa favorita,Aryumand Banu Begam, a quem chamava de Mumtaz Mahal (“A jóia do palácio”). Ela morreu após dar à luz o 14º filho, tendo o Taj Mahal sido construído sobre seu túmulo, junto ao rio Yamuna.

Assim, o Taj Mahal é também conhecido como a maior prova de amor do mundo, contendo inscrições retiradas do Corão. É incrustado com pedras semipreciosas, tais como o lápis-lazúli entre outras. A sua cúpula é costurada com fios douro. O edifício é flanqueado por duas mesquitas e cercado por quatro minaretes.




31 Oct
Recording a Bollywood dance number.

Gravação de um número de dança de Bollywood.

Recording a Bollywood dance number.


Gravação de um número de dança de Bollywood.



»